Meio&Mensagem
Publicidade

Cannes Lions

21 A 25 DE JUNHO DE 2021

Mercado de arte e moda aproveitam oportunidade dos NFTs

Nova tecnologia permite que artistas monetizem seus trabalhos e tenham maior controle sobre seus negócios

Thaís Monteiro
25 de junho de 2021 - 20h53

Em março, o artista digital Mike Winkelmann, conhecido como Beeple, vendeu uma de suas artes por US$ 69 milhões através do NFT , assim se tornando autor da terceira obra de arte mais cara vendida por um artista vivo. Desde então, o conceito de NFT tem sido pauta em diversos mercados, inclusive o publicitário. NFT é a sigla para token não-fungível.

(Crédito: Reprodução/Cannes Lions)

De acordo com a definição de Noah Davis, especialista em arte na Christie’s, o NFT é um “código único de letras e números que constituem em um bloqueio na cadeia. No Blockchain, uma peça de arte baseada em NFTs é um non fungible token. Ou seja, representa ou é representado por uma imagem, um elemento artístico. Isso é representado em um contrato que aponta para a arte. O token nunca mais pode ser duplicado ou forjado e não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo”, disse no painel “NFTs, agora e futuro”, apresentado pela Christie’s.

Para artistas, eles representam uma oportunidade de melhor monetizar seus trabalhos, pois os contratos são smart, ou seja, eles podem ganhar uma parte da revenda das obras e não só quem vende das peças podem lucrar. Lady Phoenix, fundadora da Universe Contemporary, artista e consultora para artistas que querem aprender sobre criptomoedas, explicou que o NFTs trouxe uma forma de autenticação do conteúdo no digital, que promove verificação de autenticidade e proveniência à produções que, quando colocadas no digital, se tornavam “de ninguém” e altamente replicáveis.

“Agora artistas podem ter maior controle sob sua economia e seu trabalho. Você não precisa de uma plataforma (como gravadoras, distribuidoras, galerias) para lançar NFTs, você precisa de um produto bom, ter uma prática sólida e uma narrativa com a qual as pessoas se conectem. Desde que você tenha isso, você pode vender NFTs”, afirmou.

Os NFTs também estão sendo explorados para além das artes visuais, como na moda e na música. A RTFKT é uma marca de roupas e sneakers criada no metaverso e que cria produtos físicos e digitais colecionáveis “para a nova geração de fashionistas”, descrevem. Junto com demais criadores de conteúdo, eles criam coleções e vendem por NFTs. ” Só os projetos bons vão ser sustentáveis e vão viver com uma base de fãs grande comprando e fazendo trade com NFT”, dizem.

Na música, empresas como a Oneof estão estudando como ingressar o mercado musical nessa nova tendência. De forma geral, Lin Dai, CEO da empresa, disse que está criando uma plataforma que gaste menos energia e emissão de CO2 na atmosfera, pois o processo de criar um NFT gasta muita energia e pode prejudicar o meio ambiente. Porém, de forma geral, o executivo acredita que a música pode se tornar um item colecionável e os artistas podem monetizar seus trabalhos diretamente com seus fãs, desde que com responsabilidade e transparência. “Uma pintura normalmente é vendida por milhares de dólares. A música tem sido disponível por um dólar. Criar um NTF pode custar US$ 150, então os artistas vão poder vender suas músicas por milhares de dólares”, explicou.

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio