Meio&Mensagem
Publicidade

Cannes Lions

17 A 24 DE JUNHO DE 2017 | CANNES - FRANÇA


24 de junho de 2017 - 14h59

De um lado, um touro. Do outro, um sorriso. Três tonelas de bronze contra cento e trinta enormes centímetros de altura. Um instalado sem permissão há 30 anos atrás. A outra feita para durar trinta dias. Prorrogada oficialmente pelo prefeito de Nova York até o ano que vem. O gigante de bronze ficou bravo com a menina.

Arturo Di Modica alegou que a propaganda não é arte. Advertising Trick? Arte não é aquilo que mexe com as pessoas? A fearless girl mexeu com o mundo. Do lado do cliente, um briefing. Comemorar o aniversário de um ano de um index fund que funciona a partir da diversidade de gêneros, ou seja, empresas que possuem maior percentual de mulheres entre seus líderes seniores.

Do outro lado, uma ideia incrível. Quem está do lado dela como cliente? State Street Global Advisors. Uma empresa Global, espalhada por todos os lados. A questão aqui não é ficar de um lado ou de outro. A questão é: De que lado você quer ficar daqui para frente?

 

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

  • joe smith

    Arte é aquilo que mexe com as pessoas? Sim, e não. A pergunta é irrelevante. Fearless Girl não é arte, é propaganda. Simples assim. Mas não precisa ser arte para mexer com as pessoas. Propaganda pode fazer isso também. Talvez o que seja perturbador a respeito dessa peça é que ela recebeu tanto elogio, quanto backlash. Mas se tirarmos essa polêmica de um determinado segmento ( publicitários e pessoas de marketing e pessoas em grandes cidades) difícil dizer se a repercussão foi tão grande como os próprios publicitários querem acreditar. Mais perturbador ainda é que a Street State Street Global, q encomendou a peça a como forma de celebrar um index fund que investe em empresas com mulheres na liderança, entre as 28 pessoas na liderança da própria empresa, apenas 5 delas são mulheres.

    Curioso também o fato de o Grand Prix de PR foi ganhado por um agência de publicidade, e não de PR. Vale a pena dizer q os outros prêmios – bronze, prata e ouro – também foram agência de publicidade somente. Também vale observar q na publicidade, apenas 3% das posições de liderança, são ocupadas por mulheres.

    Existem inúmeras curiosidades a respeito dessa peça. Talvez a maior de todas é a questão: faz sentido uma agência de propaganda e um fundo de investimento faturarem tão alto num discurso contemporâneo e socialmente engajado, quando ambas empresas não praticam aquilo q pregam?

Patrocínio