Meio&Mensagem
Publicidade

Cannes Lions

17 A 21 DE JUNHO DE 2019 | CANNES - FRANÇA

Fabricio Dalpra
10 de junho de 2016 - 10h50

Lá vai a categoria de Cyber celebrar seu 18º ano no Festival de Cannes. Passadas muitas transformações, chegou, enfim, a hora de estabelecer o que ela tem de proprietária para traçar os caminhos para os próximos anos.

Já vivemos a era que premiava banners e entendia a internet apenas como um espaço de mídia; veio a era dos hotsites interativos que colocavam o usuário em experiências mais imersivas; passamos pela era dos apps, quando se descobrira que a publicidade podia também estar no celular; a era das traquitanas; a era dos vídeos interativos, dos virais e muitas outras.

Mas, com o passar dos anos, novas categorias surgiram no festival, o que fez com que o significado de Cyber fosse esvaziado. Ela continuava a premiar peças, porém o protagonismo dos trabalhos muitas vezes estava em outras categorias.

Mobile, Media, PR, Innovation e Filme, entre outras, são categorias com critérios mais definidos para reconhecer por que um trabalho é relevante e merece ser premiado. Cyber, por outro lado, ocupa um território nebuloso nas premiações, tanto para mostrar o pensamento do júri quanto para apontar caminhos para a categoria.

Cara de Cyber, fucinho de outra

Vejamos os grandes vencedores da categoria de Cyber de 2015: Hammerhead, também ganhou ouro em Mobile e a principal interação do usuário com o produto passava por um aplicativo móvel; com Clever Buoy, que também recebeu ouro em Mobile, não foi diferente: essa era sua característica mais forte.

Tivemos também Like a Girl, de Always, uma das peças mais populares do último festival por ter viralizado no mundo todo. Um filme brilhante, que gerou discussões relevantes e realmente engajou as pessoas. Mas também sabemos que um filme veiculado na televisão pode gerar discussões no ambiente online e nem por isso deveria ser reconhecido na categoria Cyber.

A categoria de PR premiou Like a Girl com o Grand Prix. Faz sentido, né? O protagonismo está aí: a ideia se propõe a gerar conversas nos veículos e nas pessoas; e ela conseguiu.

Por isso, está na hora de Cyber ter o protagonismo nas peças que são reconhecidas em suas subcategorias – principalmente os trabalhos premiados com Ouro e Grand Prix, que apontam direções e caminhos a se seguir. Só assim vai ser possível encontrar a sua essência, que não deveria ser escondida pelas outras categorias.

Call to action

No ano passado tivemos algumas peças que ressaltaram o que acredito ser único na categoria de Cyber: pessoas conectadas em rede que podem se mobilizar por uma premissa de forma interativa. Um bom exemplo foi o The Ice Bucket Challenge, para o The ASL Association, e o Grand Prix de 2015: I Will What I Want, de Under Armor.

Temos outros exemplos de peças premiadas ao longo desses 18 anos que usam o raciocínio da rede e a interação para engajar o consumidor em um conceito, como Oreo Daily Twist; The Beauty Inside; Response Campaign, de Old Spice; Whooper Sacrifice, entre outros.

Aos 18 anos é hora de decidir o que você vai ser e qual caminho vai seguir pelos próximos anos. Chegou a hora da categoria de Cyber escolher ser protagonista de si mesma.

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

Patrocínio

Mobile Partner